.

A verdadeira sabedoria é saber o quão pouco nós realmente sabemos.

Sócrates

Traduzir - Translate

31/03/2010

Os Excertos da Metafísica de Aristóteles


1 – INTRODUÇÃO

No texto, tentaremos mostrar de forma concisa como se formalizou uma filosofia do ser que veio a se chamar metafísica, e apontar alguns aspectos significativos do termo metafísica.

2 - APRESENTAÇÃO

Ao nos debruçarmos por sobre o texto ora apresentado, tentaremos mostrar como se formalizou uma filosofia do ser que veio a se chamar metafísica. É sabido que o termo “metafísica”, significa “o que esta alem da física”, isso não significa que a metafísica denuncia um gosto malsão por formulas abstratas, ao contrario, mostra que a razão, procura princípios que sejam de conhecimento sólido.
É interessante ressaltar, que Aristóteles usava a expressão “filosofia primeira”, ou ainda “teologia”, em oposição à “filosofia segunda”, e não propriamente o termo metafísica.
A palavra metafísica procede de Andronico de Rhodes, que colecionou, pela primeira vez, os escritos de Aristóteles, no ano de 70 a.c. escreviam-se, então, ao final dos tratados de física, especulações abstratas que passaram a ser conhecida com o nome de meta da physica (depois da física), dos domínios da física.
Entretanto, ao definir a tarefa da filosofia primeira, que precisamente é a ciência que se ocupa das realidades que estão acima das realidades físicas, Aristóteles em sua visão de que toda tentativa do pensamento humano em ultrapassar o mundo empírico para alcançar uma realidade meta-empírica passou a ser denominada “metafísica”.
Vale destacar, que a metafísica subdivide-se em dois ramos: Ontologia, estudo sistemático e racional dos últimos fundamentos do ser; e Cosmologia, que tem por finalidade proporcionar uma visão racional e compreensiva do Universo.
A metafísica também tenta esclarecer as noções de como as pessoas entendem o mundo, incluindo a existência e a natureza do relacionamento entre objeto e suas propriedades, espaço, tempo, causalidade, e possibilidade.

3 - QUESTÕES

3.1 - Por que a sabedoria é o conhecimento das causas?
A Sabedoria e uma busca da verdade, pois o verdadeiro conhecimento cientifico é um conhecimento das causas, sendo que não se conhece a verdade sem conhecer a causa. Em razão disse, podemos destacar a experiência de trabalhadores manuais, que se utilizam da habitualidade, não sabendo o que fazem, já os que possuem a capacidade de ensinar, possuem sobre tudo a ciência e não a experiência.

3.2 - Por que a Filosofia pode ser considerada a ciência (ou o conhecimento) da verdade?
Aristóteles procura justificar que a Verdade tem um principio primeiro, principio este que é a causa das demais coisas. Aqui, a facilidade e a dificuldade andam juntas em seu estudo, pois não conseguimos atingi-la verdadeiramente. Cada um procura a verdade individual, subjetiva, que atenda somente às suas expectativas particulares. O fato de buscarmos uma verdade inteira, universal, que possa ser conceitual, mostra o quanto é difícil à tarefa de sua busca.
Assim, também a Filosofia detém papel importante no conhecimento da Verdade, pois ela é o objetivo do conhecimento teórico, e do conhecimento prático, é a ação. Esses conhecimentos, teóricos e práticos, perseguem a mesma meta, porém, nenhum deles consegue conhecer o Ser, pois eles se encontram além do conhecimento, o mesmo se pode afirmar da verdade. Aristóteles deduz que há um principio primeiro do qual derivam todas as outras coisas.
Porque o fim da ciência teórica é a verdade, enquanto o fim da pratica é a ação, pois os que visam à ação, mesmo que observe como estão as coisas, não tendem ao conhecimento do que é eterno.

3.3 - Por que Aristóteles considera a Filosofia a ciência (ou conhecimento) do ser?
Para Aristóteles, existe uma ciência que considera o ser enquanto ser, e as propriedades que lhe competem enquanto tal, pois ela não se identifica com nenhuma das ciências particulares, nenhuma das outras ciências considera universalmente o ser enquanto ser, mas, delimitando uma parte dele.
No entanto, para Aristóteles o modo de ser que interessa à ciência é o ser por si mesmo, de modo que Aristóteles afirma que o ser da natureza existe, é real, para isso é preciso demonstrar que o objeto da física é um ser real e verdadeiro, sendo para tanto um papel da filosofia.

3.4 - O que significa dizer que o “ser tem muitos significados”?
Em se tratando do ser ter muitos significados, podemos destacar que o ser de um lado significa essência, que é algo que determinamos, e de outro lado, significa qualidade ou quantidade.
Mesmo em se tratando de tantos significados, o primordial dos significados é a essência, que indica a substancia de fato, pois quando perguntamos à qualidade de alguma coisa, dizemos que é boa ou má.

REFERÊNCIAS

BUZZI, Arcângelo R. Introdução ao Pensar, o Ser, o Conhecimento, a Linguagem, 2ª Edição, Petrópolis. Ed Vozes. 1991.

PIEPER, Frederico. Sobre o Conhecimento, a Lógica e a Ética – Leituras de Filosofia. Guia de Estudos. Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo: Ed. do Autor, 2009.

ARISTÓTELES, Metafísica, Edição de G. Reale, SP, Loyola, 2002.

Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Arist%C3%B3teles. Acesso em 14 set 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar na web